VII Edición 2018-2019. Convocação ibérica

A Fundación Arquia, com o objetivo de oferecer apoio aos arquitetos espanhóis e portugueses nos primeiros dez anos de exercício profissional, apresenta a VII Edição do programa bienal arquia/próxima.
Regista-te como arquiteto PRÓXIMO e publica os teus projetos no site da Fundación. Estes projetos poderão ser selecionados pelo júri da presente edição para publicação num catálogo. Além disso, poderás ganhar o prémio arquia/próxima, dotado com 15.000 euros, ou o prémio arquia/innova, dotado com 3.000 euros.
REGULAMENTO
A Fundación Arquia convoca a VII edição 2018-2019 do concurso arquia/próxima, concebido para dar apoio a arquitetos espanhóis e portugueses nos primeiros dez anos de exercício profissional e está baseado na divulgação, promoção e valorização dos seus projetos (de qualquer tipologia) e princípios como profissionais.

Candidatos
Poderão participar arquitetos titulados em qualquer escola técnica superior de arquitetura de Espanha e Portugal, desde que não tenham passado mais de dez anos desde a data de conclusão da licenciatura (título obtido a partir de 1 de janeiro de 2008 para esta edição). Os arquitetos estrangeiros com título obtido em Espanha ou Portugal a partir do dia 1 de janeiro de 2008 também podem participar. Os arquitetos com título obtido fora de Espanha ou de Portugal a partir do dia 1 de janeiro de 2008 e com equivalência em Espanha ou Portugal também podem participar.
Calendário
Início da convocatória: 18 janeiro 2018
Período de inscrição: de 18 de janeiro de 2018 a 9 de dezembro de 2019
Resultados: junho 2020
VII Festival arquia/próxima: outubro 2020
Documentação e envio
A informação pode ser anexada e/ou modificada até ao dia em que finalizam as inscrições (9/12/2019 12:00)
Para mais informações sobre a documentação a enviar, ver o manual de ajuda.
Este manual está também disponível na área privada de utilizador.
INSCRIÇÃO AUTOR

As inscrições para o concurso arquia/próxima só podem ser feitas através do sistema de inscrição online, preenchendo o formulário habilitado para o efeito.

INSCRIÇÃO PROJETO

Para inscrever um projeto no programa arquia/próxima, primeiro é necessário criá-lo na área privada (área profissional) e depois adicionar a sua participação no programa arquia/próxima.
Para mais informações sobre a inscrição do projeto, consulta o manual de ajuda.
Este manual está também disponível na área privada do utilizador.

DATA LIMITE DE INSCRIÇÃO AUTOR
9 de dezembro de 2019 às 12:00
DATA LIMITE DE INSCRIÇÃO DE PROJETO
9 de dezembro de 2019 às 12:00
JÚRI

O júri será composto por:
Gonzalo Herrero Delicado
Comissário
Gonzalo Herrero Delicado es arquitecto, comisario y escritor radicado en Londres.
Desde 2016 es Comisario de Arquitectura de la Royal Academy of Arts de Londres desde donde desarrolla un amplio programa de exposiciones, instalaciones y programas públicos en la intersección entre la arquitectura y las artes visuales. Entre sus proyectos destacan Invisible Landscapes (20182019), Futures Found (2017) y su próxima exposición Eco-Visionaries (2019-2020), que explora el impacto ecológico de la acción humana en el medio ambiente a través de distintas prácticas contemporáneas.
Previamente trabajó como comisario en The Architecture Foundation y el Design Museum, ambos en Londres. En esta última, fue comisario adjunto de la exposición que inauguró el nuevo museo, Fear and Love: Reactions to a Complex...
Santiago de Molina
Representante da zona Centro (Espanha)
Arquitecto por la ETSAM (1997) y doctor arquitecto por la UPM (2001) con una tesis sobre por la que recibió el premio extraordinario de doctorado de la UPM.
Colaboró en el periodo del 2002 al 2007 con Rafael Moneo.
Su interés en la docencia hace que desarrolle desde el año 2001 labores como profesor de Proyectos, en la actualidad desde la universidad San Pablo CEU de Madrid donde es profesor Adjunto y en la UAH donde es profesor visitante.
Ha sido profesor invitado y conferenciante invitado en la UAX, ETSAM, ESAYT, ESNE, ETSAS, ETSAC, UIMP y ETSAB. También en la Pontificia Universidad Católica y en la Universidad Diego Portales ambas en Chile. Ha dirigido el Workshop de la XIX Bienal de Arquitectura en ese país el año 2014.
Naiara Montero
Patrona e Representante da Fundación Arquia
Arquitecto por la Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Barcelona (ETSAB).
Doctora arquitecta (Cum Laude) con Mencion Europea en una tesis sobre ámbitos de investigación en la energía y el medioambiente en la arquitectura (ETSAB).
Post-grado “Interior e Interiores” por la Universidad Politécnica de Catalunya (UPC).
Curso de formación del  Negocio Bancario 2015 (Arquia Caja De Arquitectos).
Estancia en University of College in Dublin (UCD) como miembro investigador en el equipo Energy research Group (2011).
Profesora de proyectos 
Marta Pelegrín
Representante da zona Sul (Espanha)
Marta es doctora arquitecta (Universidad de Sevilla Mención Internacional, Sob.C.L.2017), profesora de proyectos arquitectónicos en ETS. Arquitectura Sevilla desde 2007. Realiza estudios en Alemania, estancias de investigación en Austria, en Kunsthalle & Donau University Krems (Premio DaylightSpaces, 2016); Research Residence en Institut für Architektur Technologie Graz (2017), y becas de docencia en Uruguay (FADU‑Montevideo) y Portugal (FAU Lisboa y Escola das Artes, U. Évora). Es coordinadora y profesora de Cátedra Blanca Sevilla, desde 2007. Ha sido docente en la ETSA. Málaga, invitada en diversos Masters Universitarios (US, UNIA, ETSAM, FADU‑DEIP) y conferenciante en distintas universidades e instituciones internacionales, como CAUP Tonji University Shanghai, Instituto Cervantes de Beijing y Viena, Facultad Arquitectura Montevideo, y conferencias en ETS. Málaga, Zaragoza, Madrid, Valencia...
Ester Roldán
Representante da zona Norte (Espanha)
Arquitecta por la ETSA de Valladolid y Diploma de Estudios Avanzados en Proyectos Arquitectónicos por la ETSA de Barcelona. Funda en 2001 longo+roldán arquitectura junto a Víctor Longo Valdés, tras ganar el Primer Premio en el Concurso Nacional de Ideas para el Edificio de Servicios de Autoridad Portuaria de Gijón en El Musel. Su ejecución les supondrá la obtención del Premio Asturias Arquitectura 2006, premio que volverán a ganar en 2008 por el Edificio de Vivienda Colectiva y en 2012 por una Vivienda/estudio para artista + pequeño Hotel Rural, obra que será seleccionada por la revista Monocle como una de las 100 Top Experiences in Spain.
Han sido finalistas además en numerosos concursos de arquitectura y diseño, y recientemente nominamos al Premio Mies van der Rohe 2019 por un Complejo Residencial y Pabellón de Usos Múltiples. Su obra aparece publicada en...
Fran Silvestre
Representante da zona Levante (Espanha)
Fran Silvestre, arquitecto en la especialidad de edificación (Matrícula de Honor) por la ETSA de Valencia y en la especialidad de urbanismo (Matrícula de Honor) por la TU/e (Technische Universiteit Eindhoven) de Holanda, doctor por la Universidad Politécnica de Valencia dentro del programa Proyectar desde el territorio una mirada moderna 2012-2016 (Magna Cum Laude), es profesor del Departamento de Proyectos de la Universidad Politécnica de Valencia, y subdirector de la Escuela de Arquitectura en el período 2010-2012. Actualmente es profesor de proyectos en la Universidad Europea de Valencia y director del Máster MArch Arquitectura, diseño e innovación de la Universidad Europea de Valencia.
Su estudio cuenta con la colaboración y la ayuda habitual en los proyectos de otros estudios tales como...
Ana Luisa Soares, de Fala atelier
Representante de Portugal
fala is a naïve architecture practice based in porto, led by filipe magalhães, ana luisa soares and ahmed belkhodja. established in 2013, the atelier works with methodic optimism on a wide range of projects, from territories to birdhouses. fala’s projects are a medley of formal languages, references, quotations and themes, regulated by an obsession for clarity; its architecture is both intuitive, rhetorical, hedonic and post-modern.
fala has lectured at different universities and institutions, including the architectural association in london, the graham foundation in chicago, the centre for fine arts in brussels, the versailles’ faculty of architecture in paris and the casa della architettura in rome; among others, fala has taught at the faculties of architecture in venice, munich, munster, liége and bratislava. the atelier's work has been exhibited at the architecture biennials in venice and chicago...
Juan Antonio Serrano García
Representante dos participantes
Juan Antonio Serrano García es arquitecto por la Universidad de Granada desde 2009 y Master en Proyectos Arquitectónicos Avanzados por Universidad Politécnica de Madrid desde 2012.
Estableció el estudio de arquitectura Serrano + Baquero junto a Paloma Baquero Masats en 2010, desarrollando proyectos de diversas escalas entre los que cabe destacar; Escaparate horizontal, seleccionado en la III edición de Arquia Próxima y en la Bienal Iberoamericana de diseño de 2012 y premiado en los II Premios PR, los II Premios del Diseño en Andalucía y en los premios 2A, 33 vidrios desplazados, finalista en los premios Lamp y premiado en los premios Aplus, Viaje al interior de un huerto, premiado en la categoría de proyecto social de los Premios Beyond Building 2015 y en los premios 2A, finalista en los Premios Enor y seleccionado en la Bienal Internacional de Paisaje...
TEMA
Ponto de inflexão. Posições radicais para um mundo em constante mudança.
Vivemos num mundo em mutação constante. Seja por conflitos políticos, por desigualdades sociais ou por catástrofes ecológicas; o planeta e a humanidade estão em contínua mudança, aproximando-se cada vez mais de um estado de colapso. Vivemos num mundo globalizado e interligado, tanto digital como fisicamente, em que as nossas ações diárias no nosso contexto imediato têm um impacto drástico noutras partes do mundo. Um “efeito borboleta” que faz com que as pequenas mudanças possam ter consequências imprevistas em diferentes lugares e momentos. As nossas ações diárias não afetam só o nosso meio imediato, mas também têm um impacto indireto noutros países e contextos.

Em fevereiro deste ano, o jornal The Guardian publicou uma série de artigos nos quais examinava o impacto ambiental do principal material usado na construção civil, o cimento. Depois da água, o cimento é o segundo material mais consumido no mundo, e é responsável por 8% das emissões globais de CO2. Se a isto acrescentarmos que o setor da construção contribui com 23% da poluição do ar, 40% da poluição da água potável e 50% dos resíduos em aterros sanitários, a situação é crítica. Vivemos num momento de máxima emergência, em que os recursos naturais têm prazo de validade e devemos refletir e pôr em perspetiva o impacto da arquitetura tanto na sociedade como no planeta. Um planeta no qual é necessário criar habitats para uma população mundial que aumentará 25% nos próximos 30 anos. Como estão a responder a arquitetura e os arquitetos a estes problemas em escala local e global?

Os anos sessenta e setenta foram décadas tumultuosas de desordem política e agitação social. Desde a construção do Muro de Berlim até ao movimento antinuclear, dos protestos contra a Guerra do Vietnam ao movimento estudantil de maio de 1968, estes anos ocupam um lugar de destaque na nossa história recente. Debateram-se as injustiças abertamente e geraram-se pensamentos radicais que questionavam o statu quo, bem como as convenções e práticas existentes em várias esferas da vida, incluindo a arquitetura. Vivemos num momento igualmente crítico, com paralelismos diretos, mas com 50 anos menos na contagem decrescente.

Está na hora de entender o impacto da arquitetura de forma holística e de criar projetos radicalmente inovadores que arrisquem em mudar a forma como agimos no nosso meio-ambiente. Precisamos de trabalhar a partir da colaboração, entendendo o trabalho do arquiteto como parte de uma rede complexa, como o próprio planeta, onde o fluxo de conhecimento e ação seja permanente, definindo novos formatos de ação que renegoceiem a relação entre os próprios humanos, assim como com o meio. Necessitamos de entender como nos relacionarmos uns com os outros para podermos aprender a gerir uma relação mais empática com outras espécies e com o nosso meio-ambiente.

O correto já não basta. Não podemos continuar a agir da mesma maneira, há que gerar um ponto de inflexão. Precisamos de introduzir uma mudança de pensamento, agenda e prática, para criar uma maior consciencialização e demonstrar à sociedade o poder transformador da arquitetura para reparar os nossos ambientes. Precisamos de projetos e estratégias que nos permitam transformar radicalmente o nosso impacto no planeta e reparar a nossa relação com o meio-ambiente, social, político e ambiental, gerando um espaço mais democrático para todos.

Esta convocatória de arquia/próxima tem como finalidade procurar estratégias, reflexões e materializações que se arrisquem a questionar o statu quo e as conceções pré-definidas, apresentando propostas que permitam gerar uma mudança radical nas práticas da arquitetura contemporânea. Os projetos selecionados nesta convocatória funcionarão como uma cápsula do tempo, um reflexo da agenda dos arquitetos hoje que cristalizará as respostas, em formatos críticos e inovadores, às mudanças sociais, políticas, económicas e meio-ambientais. Uma oportunidade para examinar e discutir coletivamente assuntos de vital importância para a nossa sociedade e para o nosso planeta, e destacar aquelas práticas que atuem de forma arriscada e inovadora face às mudanças locais e internacionais, a fim de gerar uma nova radicalidade na arquitetura.


mi área privada