Edições anteriores

V Edição 2014-2015

Esta V edição conta com 1653 realizações registadas e 675 arquitetos participantes. O comissário desta edição é Alberto Veiga e os membros do júri são: Eugeni Bach, Carlos Gómez Agustí, Jesús Irisarri, Eva Morales e Víctor Navarro. José María Sánchez García foi o representante dos participantes escolhido pelos arquitectos próximos que cumpriam os requisitos de participação nesta convocatória.

Sob o tema 'FUTURO IMPERFEITO' esta edição tem como objetivo encetar uma reflexão que permita encarar a profissão com resistência e sem melancolia

IV Edição 2012-2013

Nesta quarta edição registaram-se 670 novas realizações e 870 arquitetos participantes.

O júri composto por Eva Franch, comissário geral, Emilio Tuñón, Toni Gironès, Izaskun Chinchilla, Luis Úrculo e Andrés Jaque catalogou 120 realizações e selecionou 29 realizações que apresentam 

projetos que, arquitetonicamente, constroem uma reivindicação do histórico, crítico, ecológico e social através de uma gestão do capital e dos excedentes arquitetónicos, ambientais e humanos.

Na IV edição 2012-2013, o prémio arquia/próxima, dotado de 15.000 €, foi concedido às realizações: Analogical Smart Cities, Paradise Lost, Monu//Bench Project, From Olympic Games to Urban Games e Social Alphabets / Alphabet Cities  do coletivo PKMN que com uma grande dose de criatividade, rigor e humor, tanto a nível metodológico, como formal, baseiam o carácter empreendedor deste projeto em valores sociais e arquitectónicos fundamentais: a democratização da cidade e a construção de vínculos sociais e espaços de coletividade capazes de esbater disparidades económicas, sociais ou de classe. O projeto da PKMN, construído sempre a partir do exterior, toma como referência o que para os outros é a “terceira pessoa” da arquitetura: o utilizador.

 

  • Realizações registadas: 2496
  • Catalogadas: 120
  • Selecionadas: 29
  • Premiadas: 5
III Edição 2010-2011

Nesta terceira edição registaram-se 2841 realizações e 991 arquitectos.

O júri formado por Francisco Cabrera, Ariadna Cantís (comissária), Ricardo Devesa, José María Ezquiaga, Eva Franch, José Morales, Carlos Quintáns, Rogelio Ruiz e Martha Thorne catalogou 120 realizações e selecionou 24 realizações que revelam novos “papéis” dos jovens arquitectos com os quais estão a desenvolver o seu trabalho procurando novos formatos, quer através de divulgação ou auto-divulgação, novas fórmulas de colaboração em grupo ou coletivos, ativismo social e participação cívica, urbanismo de ação, novos meios de comunicação aplicados à arquitectura, quer através de uma nova sensibilidade relativamente ao construído.

Na II edição 2008-2009, o prémio arquia/próxima, dotado de 15.000 €,foi concedido à realização: Inteligencia Colectiva 2.0 do coletivo ZOOHAUS. O júri destacou-a como um exemplo completo e complexo de NOVOS FORMATOS,  operando quer na forma de trabalhar: um coletivo de coletivos, quer no suporte: web. Valorizam-se especialmente propostas de trabalho em equipa que desenvolvam um projeto de investigação e difusão na internet, uma base de dados aberta e participativa, baseada na análise e mapeamento de protótipos e detalhes construtivos. A realização é designada como geradora de novos processos, um verdadeiro formato transformador.

II Edição 2008-2009

Na II edição 2008-2009 da bienal arquia/próxima registaram-se 1939 realizações e 286 arquitetos. De salientar que se verificou una maior participação do que na convocatória anterior, com números realmente significativos apesar do momento em que a convocatória se realizou.

O júri formado por Carlos Quintans como comissário geral e pelo comité científico composto por Fernando Diaz Pines, Felix Arranz, Francisco Cifuentes, Santiago Cirugeda, Javier Mozas e Ricardo Sanchez Lampreave quis mostrar nas 128 realizações catalogadas e nas 24 selecionadas as outras facetas onde os jovens arquitectos estão a desenvolver o seu trabalho e procuraram-se as diversas fórmulas com as quais se canaliza o trabalho, quer através de concursos, de divulgação ou auto-divulgação, quer através de novas fórmulas de colaboração e ativismo social que surgem com maior intensidade nos últimos anos.

Na II edição 2008-2009, o prémio arquia/próxima, dotado de 15.000 €,foi concedido à realização Comedor Escolar Tipo' de'LA PANADERIA (Rubén Alonso, Eva Morales e David Canavate). '

O júri destacou-o como um projeto rigoroso em que são analisadas as condições destas instalações escolares e em que se oferece uma proposta de requisitos mínimos com altas doses de sensibilidade e bom senso, dando esperança no momento de enfrentar as novas condições com que a sociedade se depara.

I Edição 2006-2007

Na I edição 2006-2007 da bienal arquia/próxima registaram-se 769 realizações e 286 arquitectos. O júri composto por  Félix Arranz como comissário geral, Marta Cervelló, Sara de Giles, Patxi Mangado, Carmen Pinós, Emilio Tuñón e o sociólogo José Miguel Iribas elegeram as 128 realizações catalogadas e as 28 selecionadas cujos critérios de eleição foram os seguintes:
Nas 128 catalogadas procurou-se a representatividade das realizações apresentadas, tendo em conta a zona em que estão localizadas, ou seja, refletir a diversidade da prática arquitetónica e dos seus modos de proceder de um ponto de vista geográfico. Não se destacaram as melhores e maiores realizações, tentou-se sim mostrar um panorama (que por definição é dilatado) da arquitetura que os arquitetos, diplomados há menos de 10 anos, estão a produzir, sempre sob premissas de qualidade.
Os 28 selecionados foram premiados pela qualidade das realizações, a nível de projeto, execução e originalidade.
Na I edição 2006-2007, o prémio arquia/próxima, dotado de 15.000 €, foi concedido à realização ECOBULEVAR EN EL ENSANCHE DE VALLECAS, dos autores Ecosistema Urbano (Belinda Tato, José Luis Vallejo e Diego García Setién), tendo o júri destacado a vantagem, utilidade, conveniência e benefício do projeto, cujos critérios ambientais e de sustentabilidade subjazem a todas as suas determinações, bem como o fomento do intercâmbio social.

mi área privada