Edições anteriores

VI Edición 2016-2017

La VI edición ha contado con 1183 realizaciones registradas y 675 arquitectos participantes. El comisario de esta edición ha sido Iñaki Carnicero, y los miembros del jurado: Héctor Fernández Elorza, representante de la Zona Centro, Iñigo García Odiaga de Vaumm, representante de la Zona Norte, María González García de Sol 89, representante de la Zona Sur, Montserrat NoguésTeixidor, patrona de la Fundación Arquia, Anna Puigjaner Barberà de Maio, representante de la Zona Levante. Pilar Díaz de Paisaje Transversal ha sido el representante de los participantes escogido por los arquitectos próximos que cumplían los requisitos de participación en esta convocatoria.

El lema 'PRÁCTICAS RELEVANTES', invita a la reflexión sobre la paradoja existente entre el reconocimiento y éxito de la proyección internacional de la arquitectura española y el poco volumen de producción de la misma de estos últimos años. 

 

 

V Edição 2014-2015

Esta V edição conta com 1653 realizações registadas e 675 arquitetos participantes. O comissário desta edição é Alberto Veiga e os membros do júri são: Eugeni Bach, Carlos Gómez Agustí, Jesús Irisarri, Eva Morales e Víctor Navarro. José María Sánchez García foi o representante dos participantes escolhido pelos arquitectos próximos que cumpriam os requisitos de participação nesta convocatória.

Sob o tema 'FUTURO IMPERFEITO' esta edição tem como objetivo encetar uma reflexão que permita encarar a profissão com resistência e sem melancolia

IV Edição 2012-2013

Nesta quarta edição registaram-se 670 novas realizações e 870 arquitetos participantes.

O júri composto por Eva Franch, comissário geral, Emilio Tuñón, Toni Gironès, Izaskun Chinchilla, Luis Úrculo e Andrés Jaque catalogou 120 realizações e selecionou 29 realizações que apresentam 

projetos que, arquitetonicamente, constroem uma reivindicação do histórico, crítico, ecológico e social através de uma gestão do capital e dos excedentes arquitetónicos, ambientais e humanos.

Na IV edição 2012-2013, o prémio arquia/próxima, dotado de 15.000 €, foi concedido às realizações: Analogical Smart Cities, Paradise Lost, Monu//Bench Project, From Olympic Games to Urban Games e Social Alphabets / Alphabet Cities  do coletivo PKMN que com uma grande dose de criatividade, rigor e humor, tanto a nível metodológico, como formal, baseiam o carácter empreendedor deste projeto em valores sociais e arquitectónicos fundamentais: a democratização da cidade e a construção de vínculos sociais e espaços de coletividade capazes de esbater disparidades económicas, sociais ou de classe. O projeto da PKMN, construído sempre a partir do exterior, toma como referência o que para os outros é a “terceira pessoa” da arquitetura: o utilizador.

 

  • Realizações registadas: 2496
  • Catalogadas: 120
  • Selecionadas: 29
  • Premiadas: 5
III Edição 2010-2011

Nesta terceira edição registaram-se 2841 realizações e 991 arquitectos.

O júri formado por Francisco Cabrera, Ariadna Cantís (comissária), Ricardo Devesa, José María Ezquiaga, Eva Franch, José Morales, Carlos Quintáns, Rogelio Ruiz e Martha Thorne catalogou 120 realizações e selecionou 24 realizações que revelam novos “papéis” dos jovens arquitectos com os quais estão a desenvolver o seu trabalho procurando novos formatos, quer através de divulgação ou auto-divulgação, novas fórmulas de colaboração em grupo ou coletivos, ativismo social e participação cívica, urbanismo de ação, novos meios de comunicação aplicados à arquitectura, quer através de uma nova sensibilidade relativamente ao construído.

Na II edição 2008-2009, o prémio arquia/próxima, dotado de 15.000 €,foi concedido à realização: Inteligencia Colectiva 2.0 do coletivo ZOOHAUS. O júri destacou-a como um exemplo completo e complexo de NOVOS FORMATOS,  operando quer na forma de trabalhar: um coletivo de coletivos, quer no suporte: web. Valorizam-se especialmente propostas de trabalho em equipa que desenvolvam um projeto de investigação e difusão na internet, uma base de dados aberta e participativa, baseada na análise e mapeamento de protótipos e detalhes construtivos. A realização é designada como geradora de novos processos, um verdadeiro formato transformador.

II Edição 2008-2009

Na II edição 2008-2009 da bienal arquia/próxima registaram-se 1939 realizações e 286 arquitetos. De salientar que se verificou una maior participação do que na convocatória anterior, com números realmente significativos apesar do momento em que a convocatória se realizou.

O júri formado por Carlos Quintans como comissário geral e pelo comité científico composto por Fernando Diaz Pines, Felix Arranz, Francisco Cifuentes, Santiago Cirugeda, Javier Mozas e Ricardo Sanchez Lampreave quis mostrar nas 128 realizações catalogadas e nas 24 selecionadas as outras facetas onde os jovens arquitectos estão a desenvolver o seu trabalho e procuraram-se as diversas fórmulas com as quais se canaliza o trabalho, quer através de concursos, de divulgação ou auto-divulgação, quer através de novas fórmulas de colaboração e ativismo social que surgem com maior intensidade nos últimos anos.

Na II edição 2008-2009, o prémio arquia/próxima, dotado de 15.000 €,foi concedido à realização Comedor Escolar Tipo' de'LA PANADERIA (Rubén Alonso, Eva Morales e David Canavate). '

O júri destacou-o como um projeto rigoroso em que são analisadas as condições destas instalações escolares e em que se oferece uma proposta de requisitos mínimos com altas doses de sensibilidade e bom senso, dando esperança no momento de enfrentar as novas condições com que a sociedade se depara.

I Edição 2006-2007

Na I edição 2006-2007 da bienal arquia/próxima registaram-se 769 realizações e 286 arquitectos. O júri composto por  Félix Arranz como comissário geral, Marta Cervelló, Sara de Giles, Patxi Mangado, Carmen Pinós, Emilio Tuñón e o sociólogo José Miguel Iribas elegeram as 128 realizações catalogadas e as 28 selecionadas cujos critérios de eleição foram os seguintes:
Nas 128 catalogadas procurou-se a representatividade das realizações apresentadas, tendo em conta a zona em que estão localizadas, ou seja, refletir a diversidade da prática arquitetónica e dos seus modos de proceder de um ponto de vista geográfico. Não se destacaram as melhores e maiores realizações, tentou-se sim mostrar um panorama (que por definição é dilatado) da arquitetura que os arquitetos, diplomados há menos de 10 anos, estão a produzir, sempre sob premissas de qualidade.
Os 28 selecionados foram premiados pela qualidade das realizações, a nível de projeto, execução e originalidade.
Na I edição 2006-2007, o prémio arquia/próxima, dotado de 15.000 €, foi concedido à realização ECOBULEVAR EN EL ENSANCHE DE VALLECAS, dos autores Ecosistema Urbano (Belinda Tato, José Luis Vallejo e Diego García Setién), tendo o júri destacado a vantagem, utilidade, conveniência e benefício do projeto, cujos critérios ambientais e de sustentabilidade subjazem a todas as suas determinações, bem como o fomento do intercâmbio social.

mi área privada