Notícias arquia / filmoteca


Le voyage à travers l'impossible (1904) na arquia/filmoteca

30 JUNIO 2016 / FILMOTECA

Dirigido por Georges Méliès em 1904, o filme é baseado na peça de teatro de Júlio Verne e Adolphe d'Ennery, com o mesmo nome. 

O enredo centra-se na viagem que um grupo de cientistas do Instituto Geográfico faz à volta do mundo. Para fazer esta viagem, constroem veículos diferentes, carregados num comboio, que lhes permitirão realizar a travessia que tem início nos Alpes Suíços. A sua aventura irá passar pelo oceano e leva-los-á ao próprio sol.

Georges Méliès levou a cabo quatro adaptações das obras de Júlio Verne: Le Voyage dans la lune (1902), Le Voyage à travers l’impossible (1904), Vingt milles lieus sous les mers (1907) e À la conquête du pôle (1911), em que nos revela a sua visão crítica das tecnologias que transformaram o ambiente construído.

Mélies, tal como Júlio Verne, utiliza a mudança tecnológica, as descobertas científicas a exploração para orientar os seus filmes e, raramente, mostra tecnologia futurista ou desconhecida, mas adapta as inovações que ocorrem na sua época.

Em Le Voyage à travers l’impossible, mostra o ambiente industrial, criado a partir de cenários que representam a realidade da revolução industrial do momento e que já tinham surgido em Le voyage dans la lune. Mélies não utiliza apenas a tecnologia como cenário, como também confere aos seus filmes uma visão crítica das ameaças e incertezas produzidas pelas novas tecnologias, através de cenas em que coloca as personagens em situações de perigo extremo. O comboio voador de Le Voyage à travers l’impossible sofre acidentes devastadores dos quais os passageiros escapam no limite. As personagens de Méliès sofrem acidentes às mãos dos novos avanços como automóveis, comboios e maquinaria em fábricas, laboratórios ou oficinas.

Este tipo de desastres, provocados pelos novos meios de transporte e os acidentes de trabalho pela introdução da maquinaria, eram comuns nos finais do século XIX. Para as suas cenas, Méliès inspira-se em catástrofes reais como o colapso da ponte ferroviária construída por Gustave Eiffel perto de Münschestein, Suíça.

Cabe mencionar que o videoclipe "Heaven for Everyone" do grupo Queen, inclui imagens deste filme.

Referência: Studios Before the System: Architecture, Technology, and the Emergence of Cinematic Space (2015) Brian R. Jacobson

 

mi área privada